capa

8 erros históricos da Série Vikings

Todos conhecem a serie Vikings  que narra as aventuras de Ragnar Lothbrok, seus descendentes durante as invasões Vikings a Atual Inglaterra, Islândia e França.

Durante 6 temporadas muita coisa rolou, invasões, mortes, traições e afins, mas mesmo sendo uma série produzida pelo History Channel, muita coisa não aconteceu exatamente como apresentado.

Veja abaixo 11 erros históricos:

1) Rollo e Ragnar não eram irmãos e provavelmente nunca se encontraram:

rollo

O personagem de Rollo é baseado no Viking noroegues Gange-Rolf, o primeiro rei da Normandia. Registros históricos falam que ele foi o primeiro lider nórdico a sitiar o reino franco (França) e continuou seu reinado até 928 dc. Seus descendentes ficaram conhecidos como Normandos, levando o legado de seu nome para a região da Normandia na frança. Ele é tatara-tatara-tatara-avô de “Willian o conquistador, também conhecido como Willian I (primeiro) da Englaterra, o que significa que Rollo é um dos ancestrais da atual família real britânica.

Ele nasceu em 846 DC e morreu em 930, não sendo assim irmão de Ragnar ( e não o conheceu em vida). Foi incluído na série em eventos que aconteceram muito antes de seu nascimento.

2)Os capacetes utilizados pelos Vikings foram totalmente ignorados na série:

helmet

 

Qualquer fan verdadeiro da serie deve se sentir aliviado pelo fato de que Michael Hirst (escritor da série) não apresentou o ridículo esteriótipo de Vikings usando capacetes ridículos com pequenos chifres, o que ja foi provado historicamente que os nórdicos nunca utilizavam estes capacetes em batalha. Em realidade, este tipo de capacete era utilizado somente em apresentações e cerimonias religiosas.

Mesmo assim, não é verdade que os Vikings não utilizavam capacetes em batalha, como apresentado na série. Considerando que a maioria dos golpes fatais em batalha são na cabeça, capacetes eram uma peça preciosa na armadura \ proteção Viking.  Guerreiros famosos sempre usaram capacetes de ferro e couro.

3)Vikings não chamavam uns aos outros de Viking:

rag

 

Durante a era Viking, o povo da Dinamarca, Noruega e Suécia falavam um idioma conhecido como Nórdico Antigo, mas nenhuma evidencia historica foi encontrada para a palavra Viking para identificar etnicamente uns aos outros. Isto contradiz o fato de chamarem uns aos outros de “Viking” na série. Existem varias teorias sobre a origem da palavra “Viking”, mas sem fonte valida para descobrir como eles chamavam uns aos outros.

O que historiadores sabem, de fato, que durante as invasões as terras Saxônicas e Francas, os mesmos se referiam aos invasores como “Nórdicos”. Nórdicos, Noruegueses ou Danes eram os termos mais utilizados.

O termo “Viking” se tornou popular mundialmente pela primeira vez em romances do século 19, quando o estudo da era “Viking” se tornou popular.

3) Eles apresentam a geografia de forma correta, exceto sua real terra natal:

land

De acordo com a poesia e as sagas dos nórdicos antigos da Era Viking, o verdadeiro Ragnar Lodbrok era filho do rei sueco Sigurd Hring e parente do rei dinamarquês Gudfred. Logicamente, ele provavelmente viveu na Suécia ou na Dinamarca. No entanto, na série, o reino de Ragnar está localizado em um fiorde profundo que se parece exatamente com o que você encontraria na costa oeste da Noruega. O que complica ainda mais as coisas é que a Dinamarca e a Suécia não têm fiordes como o da série.

No oitavo episódio da primeira temporada, os espectadores veem Uppsala pela primeira vez, e o templo de Odin é mostrado como uma igreja de madeira nas montanhas. Na realidade, o templo estava realmente situado em terreno plano, enquanto igrejas de madeira eram uma característica da arquitetura cristã a partir do século 11. Depois de detectar essas imprecisões geográficas, o fato de os vikings se referirem às Ilhas Britânicas como “Inglaterra” quando esse nome nem sequer existia na época não deveria surpreender ninguém.

4)Lagertha não era tão “fodona” como apresentado na série:

lag1

Desculpe desapontar vocês, garotas e garotas, mas todo o conceito de “donzela com escudo” é baseado no folclore e mito escandinavo, já que não há sequer uma fonte credível que comprove a existência de um grupo de mulheres viking que escolheram lutar como guerreiras . Claro, existem evidências arqueológicas que comprovam que várias mulheres participaram de alguns ataques e batalhas, mas essa foi uma ocorrência rara, e a maioria dos historiadores especula que seu papel na batalha foi limitado.

Então eles nunca poderiam ter comparado a Lagertha em termos de habilidade de luta. Na realidade, Lagertha é mais atraída pelo mito escandinavo do que pela realidade.

5)A vestimenta Viking apresentada está completamente errada:

couro

É um fato inegável que os vikings deixaram muito poucas imagens e descrições escritas de suas roupas e moda em geral. O que piora ainda mais as pessoas que tentam recriar suas roupas para a TV é que as evidências arqueológicas também são extremamente limitadas. Assim, historiadores e pesquisadores que examinam as evidências geralmente chegam a conclusões diferentes. No entanto, todos concordam que os vikings não se vestem com o tipo de roupa de motoqueiro de couro que o programa costuma representar.

Em vez disso, eles provavelmente construíram suas roupas com lã, usando padrões surpreendentemente complicados com muitas peças que precisavam ser cortadas do tecido e costuradas novamente. Além disso, eles definitivamente não limitaram sua escolha de cores a preto, marrom e cinza como o programa apresenta, mas eles adoraram cores vivas como azul, vermelho e amarelo.

6)De acordo com a linha de tempo seguida na séria, Ragnar deveria ter inventado uma máquina do tempo:

Os fãs da série provavelmente se lembram de Ragnar e sua equipe invadindo um mosteiro em Lindisfarne, uma ilha de maré na costa nordeste do que é hoje a Inglaterra durante a primeira temporada, um verdadeiro ataque que ocorreu em 793 CE. Para o registro, isso é visto por muitos historiadores contemporâneos como o início da Era Viking.

Então, na terceira temporada, Ragnar e sua equipe não envelheceram um pouco e atacaram Paris, um evento histórico que ocorreu em 911 CE, quase 120 anos após o saque do mosteiro de Lindisfarne. Em outras palavras, Ragnar e seus companheiros vikings eram vampiros, ou haviam inventado uma máquina de viagem no tempo que os livros de história não nos falam.

6) Cristão não usavam a crucificação como punição ou método de execução:

cruz

Muitas coisas importantes aconteceram no quarto episódio da segunda temporada, incluindo a crucificação de Athelstan, que, não importa como você a veja, está errada. Felizmente, Athelstan não morreu porque o rei Ecbert finalmente salvou sua vida, mas é provável que – por causa dessa cena imprecisa – o programa tenha perdido muitos fãs religiosos. Veja, não importa o quanto tente, você não encontrará um único incidente registrado da Igreja primitiva na Grã-Bretanha usando a crucificação como uma ferramenta de punição para os pecadores.

E se você pensar sobre isso, por que você colocaria um pagão na mesma posição que a pessoa que você cultua? Especialmente durante um período em que os cristãos estavam tentando catequizar pacificamente os pagãos ao seu redor.

7)Batalhas campais eram tão raras paras os Vikings como politico honesto nos dias de hoje:

rollo2

No programa, os espectadores costumam ver vikings alinhando-se no campo de batalha, enfrentando seus inimigos e correndo para eles como os antigos gregos e romanos teriam feito. Na realidade, no entanto, essa maneira de lutar era muito incomum para eles, pois eles preferiam ir a uma invasão e pegar seus adversários de surpresa. A filosofia de guerra deles era baseada na velocidade e na emboscada efetiva, o principal motivo pelo qual eles não enviaram muitos navios nos primeiros ataques e fizeram ataques surpresa.

Portanto, para se mover rapidamente durante um ataque, eles não usavam muita armadura – como o programa destaca corretamente – e usavam espadas e machados longos para armas. Claro, isso não significa que os vikings nunca se envolveram em batalhas campais; eles fizeram, mas não da maneira que o programa costuma retratar.

8) Soldados de Wexes usaram capacetes italianos séculos antes do seu tempo:

helmet2

Se você não tiver um problema com o progresso da moda ao longo da história, essa pequena imprecisão histórica pode não incomodá-lo. Mas um verdadeiro fã de história deve se aborrecer com a forma como o programa mostra os soldados de Wessex. Na terra do governo do rei Egbert, os soldados podem ser vistos usando capacetes que não só não existiam durante o período (vieram cerca de 700 anos depois), mas também foram projetados na Itália, não na Inglaterra.

Veja, o que os soldados de Wessex vestem no show são bourbonets de estilo italiano que surgiram no século 16 e se tornaram particularmente populares no Florença renascentista.